EducaçãoNotícias

Com isso, a Educação de Pato Branco conta com mais oito professores com capacitação inicial, a trabalhar com alunos com deficiência visual

No Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, celebrado nesta sexta-feira (3), a Administração Municipal de Pato Branco, por meio da Secretaria de Educação, entregou os certificados aos professores que participaram do curso de Introdução ao Braile e Soroban, ministrado pelo professor e vereador Rafael Celestrin. Com isso, a Educação de Pato Branco conta com mais oito professores com capacitação inicial, a trabalhar com alunos com deficiência visual.

“Objetivando a melhoria da aprendizagem do aluno, se faz necessário aprofundar a interação entre educador e educando em sala de aula, considerando os diferentes estilos de aprendizagem e aplicando as abordagens e estratégias mais adequadas para cada caso. No que se refere à inclusão, considera-se primordial a formação do professor para atender as necessidades específicas do aluno com deficiência, principalmente se esta for relacionada a cegueira”, destacou a secretária de Educação e Cultura de Pato Branco, Simone Painin.

Hoje, a rede Municipal de Ensino possui dois alunos totalmente cegos e cinco com baixa visão matriculados no Ensino Fundamental e Sala de Recurso Multifuncional e, até então, apenas um professor capacitado para isso. Celestrin, que atua na sala de recurso e também é cego, considerou o momento “ímpar” para Pato Branco.

“Esse é um momento ímpar para Pato Branco. É nossa primeira turma de formação em introdução ao sistema braile e soroban. Nós nunca tivemos uma turma de capacitação no município, tanto que, atualmente eu sou o único professor de braile. Agora teremos mais oito no município que estarão capacitados a trabalhar com o sistema braile e soroban”, frisou. “Estão chegando mais crianças com deficiência visual no município e quanto mais capacitados para esta área, melhor terá esse aporte para essas crianças.”

O curso de 40 horas foi iniciado em abril, com aulas de uma hora semanal. Por meio dele, os professores foram capacitados a conhecer o alfabeto em braile, a ler e escrever na reglete e máquina braile, além de conhecer toda a codificação do alfabeto, numerais, o uso do soroban para cálculos matemáticos e os princípios da orientação e mobilidade com uso de bengala.

Para o próximo ano, a Secretaria de Educação e Cultura estuda, junto do professor Celestrin, ampliar as turmas e oferecer um nível superior de ensino no braile aos formados na primeira turma.

Sistema Braille

O alfabeto Braille é um sistema de leitura que se utiliza do tato e possibilita que pessoas com deficiência visual, parcial ou total tenham acesso à leitura. Ele leva este nome por ter sido inventado pelo francês Louis Braille, ainda no século 19.  

A partir de seis pontos é possível fazer 64 combinações, capazes de representar letras simples e acentuadas, pontuações, números, sinais matemáticos e até notas musicais.

As palavras são escritas da direita para esquerda com auxílio de uma prancheta, na qual é encaixada a reglete, uma régua que possui as formas com os locais dos pontos, que será furada com a punção, para criação dos caracteres.

Outra maneira é pelo uso de uma máquina braille, uma máquina de escrever capaz de marcar os pontos no papel.

Deixe um comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *

Captcha - Digite a Letras Abaixo : *

Reload Image

Postar Comentário